Como o estresse pode causar aumento do peso?

Situações estressantes podem levar ao descontrole alimentar e esse, por sua vez, pode levar ao aumento do peso corporal. Para entender como isso acontece precisamos aprender primeiro o que são Funções Executivas (FE).

De forma resumida, as FE são a capacidade de o indivíduo agir de maneira consciente, contra as respostas automáticas, de maneira a alcançar um objetivo futuro. São basicamente o que separam nosso comportamento do comportamento de um animal selvagem.

O controle inibitório é a capacidade de inibir impulsos automáticos. Na alimentação, o controle inibitório é a capacidade de o indivíduo resistir a tentações alimentares, ou seja, é a capacidade de dizer não. Sendo o emagrecimento um processo de longo prazo, é essencial que o indivíduo desenvolva controle inibitório para alcançar seus objetivos. O controle inibitório é uma FE.

A capacidade de modular o estado emocional também é uma FE. Um exemplo: você está deitado em sua cama em um dia chuvoso e está triste porque terminou um relacionamento, mas sabe que precisa treinar para alcançar um objetivo estético. Então você se levanta e vai para a academia treinar apesar da tristeza, aqui você está exercendo uma FE.

O mesmo vale entre a alternância de tarefas. Imagine que você chegou de uma partida de futebol e pouco tempo depois você consegue sentar para ler, que é uma atividade de natureza oposta. A capacidade de guardar informações na memória e utilizá-las depois para resolver uma tarefa também é uma FE.

O problema é que as FE parecem ser um “recurso limitado”, de forma que quando algo exige muito destas capacidades, outros processos podem ser prejudicados.

Um exemplo é o ato de andar de bicicleta. Quando começamos a andar de bicicleta, precisamos prestar atenção em vários movimentos coordenados e isso exige muito das nossas FE. De forma que temos dificuldades em manter o equilíbrio e acenar para alguém enquanto pedalamos. Quando já andamos de bicicleta há muito tempo, boa parte dos componentes dessa atividade já acontecem de forma automática.

Estresse e Funções Executivas

Em situações de estresse, onde o objetivo é de “luta ou fuga” há uma inibição do córtex pré-frontal (local do cérebro onde são processadas a maior parte da FE) para que uma resposta automática seja realiza de maneira rápida, instantânea. Para situações de perigo, isto é excelente, pois pode garantir nossa sobrevivência, mas pode ser problemático no estilo de vida atual, quando o stress para de ser um sinalizador de luta ou fuga e passa a ser um sinalizador crônico.

A redução que o stress causa nas FE, como no controle inibitório, pode dificultar a regulação da ingestão alimentar, fazendo com que o indivíduo deixe de evitar alimentos mais palatáveis e calóricos, contribuindo para aumento do peso corporal. Essa perda da capacidade de controle inibitório em relação à alimentação é chamada de comer desinibido ou desinibição.

O comer desinibido também aumenta a saliência de alimentos hiperpalatáveis, ou seja, ele aumenta a capacidade de um alimento de se destacar aos olhos do indivíduo dentro de outros vários alimentos. Isso é importante principalmente quando o indivíduo é apresentado de uma vasta gama de alimentos e precisa escolher algum (lanchonete, supermercado). Neste caso a tendência é que o escolhido seja o mais palatável.

Finalizando, o aumento do peso corporal em indivíduos com maior nível de stress parece acontecer pelo mecanismo abaixo:

Referências

Anderson, Peter. “Assessment and development of executive function (EF) during childhood.” Child neuropsychology 8.2 (2002): 71-82.

Hamdan, Amer Cavalheiro, and Ana Paula de Almeida Pereira. “Avaliação neuropsicológica das funções executivas: considerações metodológicas.” Psicologia: Reflexão e crítica 22.3 (2009): 386-393.

Alvarez, Julie A., and Eugene Emory. “Executive function and the frontal lobes: a meta-analytic review.” Neuropsychology review 16.1 (2006): 17-42.

Zelazo, Philip David, and William A. Cunningham. “Executive function: Mechanisms underlying emotion regulation.” (2007).

Diamond, Adele. “Executive functions.” Annual review of psychology 64 (2013): 135-168

Wyllian Oliveira
Últimos posts por Wyllian Oliveira (exibir todos)
5 1 vote
Article Rating

Wyllian Oliveira

Educador Físico Graduando em Nutrição

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments